CUIABÁ

TECNOLOGIA

Internet Starlink já é oficial no Brasil, mas não cobre todo o país

Publicados

TECNOLOGIA

source
Internet via satélite da Starlink já está disponível no Brasil
Unsplash/Donald Giannatti

Internet via satélite da Starlink já está disponível no Brasil

Se você anseia por acessar a internet por meio dos satélites Starlink, chegou o seu momento. Nesta semana, a SpaceX atualizou o mapa de disponibilidade do serviço. O Brasil está, oficialmente, entre os países atendidos. Melhor dizendo, uma parte do Brasil está. Mas esse não deixa de ser um bom começo.

Com a atualização, o serviço de internet da Starlink passa a estar disponível oficialmente em 32 países. No Brasil, a cobertura atual envolve grande parte de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, além de algumas áreas de Minas Gerais.

O Rio Grande do Sul aparece com cobertura prevista para o final deste semestre. No Espírito Santo e em cidades ao norte de Minais Gerais, incluindo Montes Claros, a previsão é a de que a rede Starlink esteja disponível até o fim de 2022.

Partes do Paraná, a exemplo de Cascavel e Maringá, têm previsão para o primeiro trimestre de 2023. O mesmo vale para cidades como Presidente Prudente e Araçatuba, em São Paulo.

Para as demais regiões do Brasil, a SpaceX indica que o serviço começará a ser oferecido no primeiro trimestre de 2023. Trata-se uma previsão um tanto vaga, na verdade. É como se a empresa estivesse dizendo que essas áreas estão nos planos para um futuro próximo, mas ainda não há uma previsão consolidada para elas.

Leia Também:  Bug no Facebook aumentou distribuição de fake news e nudez

Tem, mas custa caro

É claro que dizer “anseia” no início do texto foi apenas uma abordagem descontraída, pois o serviço não é barato por aqui.

Uma simulação para contratação na cidade de São Paulo, por exemplo, mostra que o kit de instalação (com antena) sai por R$ 3.000 mais R$ 365 de frete. Já a mensalidade cobrada pela Starlink fica em R$ 530. E olha que esses valores não incluem impostos.

De todo modo, vale relembrar que a rede Starlink tem como foco regiões que não são bem atendidas por serviços de telecomunicações tradicionais, a exemplo de áreas rurais ou afastadas de grandes centros urbanos.

O início das operações no Brasil, ainda que apenas em uma parte do território, era questão de tempo. Prova recente disso está na homologação da antena da Starlink pela Anatel.

Note, porém, que essa aprovação é válida para a antena de primeira geração. A antena de segunda geração, com formato retangular e dimensões menores, ainda não foi homologada para uso em território nacional (e sabe-se lá quando será).

Leia Também:  Auxílio Brasil: Caixa paga nova parcela nesta quarta; veja quem recebe

Cobertura da Starlink pelo mundo

Sem nenhuma surpresa, os Estados Unidos têm a maior cobertura da rede Starlink atualmente. Apesar disso, ainda há vários pontos do país marcados com disponibilidade “até 2023”.

Alguns países da Europa, a exemplo de Portugal, Espanha, França, Alemanha e Reino Unido, têm cobertura territorial praticamente integral.

Mas, sim, a SpaceX quer dominar o mundo. Na África, Ásia Oriental e partes da Europa, por exemplo, o serviço ainda não é oferecido, mas essas regiões também aparecem com previsão para 2023.

Somente territórios com restrições políticas é que estão fora do radar da companhia de Elon Musk, como Rússia, China e Afeganistão.

Quanto ao Brasil, agrada saber que a cobertura total está prevista para os próximos meses. Isso porque, gigante que é, o país tem várias lacunas em sua infraestrutura de telecomunicações.

Por outro lado, não dá para negar que a expansão da rede Starlink vem acompanhada de possíveis “efeitos colaterais”. Astrônomos têm reclamado, por exemplo, de os satélites do serviço atrapalharem atividades de observação espacial.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Sentimos falta de uma internet que não existe mais

Publicados

em

Por

source
Orkut traz nostalgia para quem viveu a internet dos anos 2000
Tecnoblog

Orkut traz nostalgia para quem viveu a internet dos anos 2000

Em seus tempos de glória, o Orkut tinha cerca de 300 milhões de usuários no mundo todo. Lançada em janeiro de 2004 nos Estados Unidos, a rede social testemunhou uma invasão de brasileiros já nos meses seguintes. Quando ganhou sua versão em português, em maio de 2005, o Brasil já era responsável por mais de 60% dos perfis cadastrados na plataforma.

Pouco mais de dez anos após sua criação, em junho de 2014, o Orkut foi descontinuado, e o mundo seguiu em frente. Mas, para aqueles que aprenderam o que era a internet através de scraps, depoimentos e comunidades, a lembrança do Orkut jamais se apagou.

Então, quando ninguém esperava, o site do Orkut foi atualizado com um comunicado de seu criador, Orkut Büyükkökten . Nele, além de celebrar a memória da rede que levou seu próprio nome, ele compartilhava uma informação curiosa: a de que está “construindo algo novo”.

Uma onda de nostalgia pelo Orkut se iniciou. Vale a pena pensar um pouco sobre ela.

Nostalgia é mais do que apenas saudade

Na origem da palavra “nostalgia” está uma forte melancolia. É uma tristeza profunda causada pelo afastamento da terra natal. Quando estamos nostálgicos, portanto, não estamos apenas com saudade. O sentimento é mais profundo, e nasce de um incômodo pela distância daquilo que consideramos familiar.

Leia Também:  Instagram: todos os vídeos com menos de 15 minutos vão virar Reels

Pesquisas no campo da psicologia tentam entender melhor como a nostalgia afeta os seres humanos. Alguns estudos sugerem que, apesar de estar muito ligada à tristeza, essa emoção costuma ter um efeito positivo. O processo nostálgico começa com a melancolia por algo familiar que não está mais presente, mas resulta em melhoras no humor, bem-estar e otimismo.

Em outras palavras, a nostalgia faz com que as pessoas se sintam bem. Não é à toa, portanto, que ela se tornou um ativo tão importante. Os maiores exemplos estão na cultura pop: uma multidão de revivals e reboots de obras clássicas, cuja razão de ser está puramente no sentimento nostálgico.

Voltando ao assunto do Orkut, os motivos de nossa nostalgia precisam ser questionados. Se o sentimento nasce de um anseio pela terra natal, podemos dizer que essa terra é apenas o Orkut?

Tempos em que a internet era jovem, e nós, jovens na internet

Uma hipótese mais provável é que o Orkut represente uma época. A ele, somam-se outras plataformas que marcaram um certo momento da internet. Conversar pelo MSN, acessar fotologs, ler e descobrir novos blogs; todas essas coisas fizeram parte da vida de milhões de pessoas, junto com o uso diário do Orkut.

Esse terreno familiar é um conjunto de ferramentas que consolidou, para muitos de nós, o que significava a internet. Entrar em contato com outras pessoas e perspectivas, descobrir os elementos que viriam a constituir gostos pessoais duradouros, tudo isso aliado à ausência dos algoritmos e discussões inflamadas que caracterizariam as redes sociais nos anos seguintes. A nostalgia nos convida a olhar para essa internet que tanto amamos — e que não existe mais.

No entanto, precisamos de cuidado para não cair na armadilha da idealização do passado. O Orkut tinha sua leva de comunidades problemáticas, algumas inclusive fazendo apologia ao crime. Muitas das discussões sobre moderação de conteúdo que reverberam atualmente se aplicavam a esse espaço tão amado. Por isso, se o Orkut voltar de alguma maneira, é importante saber desde já: ele não será como antes. Não é possível recriar o passado.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA