CE, RN, PB e PE já estão com as praias limpas, afirma nota do governo federal

O Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA) do governo federal, formado pela Marinha do Brasil (MB), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), informou neste domingo (3/11) que os estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco estão com as praias limpas.

As seguintes localidades permanecem com vestígios de óleo e com ações de limpeza em andamento: Maragogi, Japaratinga, Barra de São Miguel, Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabuçu, em Alagoas; Sarney, Atalaia, Artistas, Náufragos, Abaís e Aruana, em Sergipe; Quartel, Rio Vermelho, Pituaçu, Stella Maris, Flamengo, Cairu, Busca Vida, Jauá-Japonês, na Bahia. Vale informar que o boletim é divulgado diariamente pelo grupo, sendo passível de alterações.

A limpeza das praias é efetuada do nascer ao pôr do sol, diariamente, com a participação de todos os órgãos envolvidos no trabalho, contando com a expressiva participação de voluntários. Ao final do dia, essas informações são computadas pelos órgãos responsáveis e enviados ao GAA, para consolidação.

Até este domingo (3/11), de acordo com o levantamento feito pelo IBAMA, foram contabilizadas, aproximadamente, 4.000 toneladas de resíduos de óleo retirados das praias nordestinas. O descarte desse material é feito pelas Secretarias de Meio Ambiente dos Estados.

Até o momento, mais de 3.370 militares da MB, 27 navios, sendo 23 da MB e 4 da Petrobras, 14 aeronaves, sendo 3 da MB, 6 da Força Aérea Brasileira (FAB), 3 do IBAMA e 2 da Petrobras, além de 5.000 militares e 140 viaturas do Exército Brasileiro (EB), 140 servidores do IBAMA, 40 do ICMBio e 440 funcionários da Petrobras atuam nessa grande operação.

A Operação Amazônia Azul – Mar Limpo é Vida, em fase final de planejamento, terá início a partir desta semana. A MB realizará, em conjunto com o EB e a FAB, ações humanitárias relacionadas ao meio ambiente, cooperação na recuperação de áreas marítimas atingidas e monitoramento das Águas Jurisdicionais Brasileiras.

As investigações deste crime ambiental cometido contra o nosso País continuam em curso e todos os esforços para elucidação dessa tragédia inédita na história marítima mundial vêm sendo empregados desde o início de setembro.

AÇÃO NA BAHIA – A MB e o Ibama estão atuando em conjunto com o Laboratório de Biologia Pesqueira da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), Laboratório de Gestão de Territorial e Educação Popular da Universidade Federal da Bahia (UFBA), pescadores e gestores de áreas de proteção ambiental da Bahia, com objetivo de elaborar procedimentos para a prevenção da contaminação dos estuários e linha de costa.

O ICMBio disponibilizou à MB diversas redes de pesca apreendidas em suas operações que, após a doação, foram distribuídas às colônias de pescadores de Caravelas, Alcobaça, Prado, Nova Viçosa e Mucuripe, na Bahia, com objetivo de serem empregadas para a contenção de possíveis resíduos oleosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *