CUIABÁ

ENTRETENIMENTO

Danuza Leão morre aos 88 anos no Rio de Janeiro

Publicados

ENTRETENIMENTO

source
Danuza Leão
Reprodução/Instagram

Danuza Leão

A jornalista, escritora e ex-modelo Danuza Leão morreu nesta quarta-feira (22), aos 88 anos. Danuza estava internada na Clínica São Vicente, na Gávea, Zona Sul do Rio, onde tratava de problemas respiratórios. Nascida em Itaguaçu, no Espírito Santo, ela mudou-se com a família aos 10 anos de idade para o Rio. Aos 17, começou a carreira de modelo profissional, na década de 1950, e foi a primeira brasileira a desfilar no exterior. Irmã da cantora e compositora Nara leão, acompanhou de perto o surgimento da bossa nova no apartamento de seus pais, o célebre 303 do edifício Palácio Champs Élysées, na Avenida Atlântica, em Copacabana.

Aos 20 anos, Danuza casou-se com o jornalista Samuel Wainer, o fundador do jornal Última Hora, que tinha o dobro de sua idade. O casal teve três filhos: a artista visual Pinky Wainer, o distribuidor cinematográfico Bruno Wainer e o jornalista Samuel Wainer Filho, que morreu em um acidente de carro em 1984, aos 29 anos. Danza era avó do ator Gabriel Wainer, do fotógrafo e cineasta João Wainer e da artista visual Rita Wainer. Depois de Samuel Wainer, Danuza casou-se com o compositor e cronista Antônio Maria e com o jornalista Renato Machado. Após o estouro da onda Disco no Rio, ela tornou-se uma das maiores promoters da noite carioca, em boates como a Hippopotamus e a Regine’s.

Leia Também:  Andy Fletcher, tecladista do Depeche Mode, morre aos 60 anos

Foi colunista no Jornal do Brasil e na Folha de S. Paulo, antes de assinar uma coluna na Revista Ela, do GLOBO, entre 2017 e 2019. Autora de oito livros, como os best sellers “Na sala com Danuza” (1992) e “É tudo tão simples” (2011). A autobiografia “Quase Tudo” (2005) e “Fazendo as malas” (2008) lhe renderam o Prêmio Jabuti. Danuza foi ainda jurada de programa de TV, entrevistadora, dona de butique e produtora de arte. Também colaborou em novelas da TV Globo e atuou no cinema, em filmes dirigidos pelo amigo Glauber Rocha, como o clássico do cinema novo “Terra em transe” (1967) e “A idade da Terra” (1980).

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ENTRETENIMENTO

Drica Moraes “tenta não ter preconceito” com escalação de Jade Picon

Publicados

em

Por

Drica Moraes se pronuncia sobre escalação de Jade Picon em
Reprodução/montagem

Drica Moraes se pronuncia sobre escalação de Jade Picon em “Travessia”

Drica Moraes resolveu se posicionar sobre a polêmica da escalação de Jade Picon para o elenco de “Travessia” , próxima novela das nove da TV Globo, que substituirá “Pantanal”. A influenciadora digital foi alvo de críticas após receber um papel ser ter experiência nem formação como atriz.

Em entrevista ao site F5, Drica opinou sobre a situação. “Tento não ter preconceito com as coisas à princípio, até que a pessoa me prove o contrário”, disse ela.

Entre no canal do  iG Gente no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre celebridades, reality shows e muito mais!

“Sou um dinossauro já. Na minha época, tinha que fazer teatro, ter experiência de palco. Hoje os tempos são outros, não dá para ver com tanto preconceito, as pessoas podem nascer um grande talento vindo de um meio digital. A pessoa vai ter que ralar. Não vai poder fugir disso”, completou.

Leia Também:  Tibério morre em 'Pantanal'? Peão leva uma facada de Levi

Na trama, a Drica viverá a mãe de Chay Suedee sogra de Jade. A ex-BBB não é atriz nem tem registro profissional da categoria, o DRT e ganhou uma autorização especial do Sated-RJ (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro) para poder trabalhar em “Travessia”.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Fonte: IG GENTE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

MATO GROSSO

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA